Acesso à informaçãoFaltam 23 dias para a Copa

Áreas de Pesquisa

  • Botânica
  • Ciências Sociais Aplicadas
  • Ecologia
  • Etnobotânica
  • História
  • Botânica

    Os seres humanos, assim como os outros animais, são totalmente dependentes das plantas, seja para a alimentação, passando pelas vestimentas, até os medicamentos e muitos outros usos. A Botânica é uma ciência muito vasta e antiga (século VIII a.C.) que estuda as plantas. A palavra “botânica” provém do grego botanẽ, significando “planta”, que por sua vez é derivada do verbo boskien, “alimentar”. No mundo de hoje, diversas especializações tornaram-se necessárias, levando esta ciência a um grande número de disciplinas subordinadas. Atualmente, o estudo das plantas proporciona um importante entendimento da essência de toda a vida. E assim continuará no futuro, pois com a evolução de novas tecnologias, podemos dizer que estamos apenas no início do período mais excitante da história da Botânica.

     

    O Jardim Botânico do Rio de Janeiro empreende pesquisas em diversos segmentos da Botânica. Conheça abaixo os nossos projetos.

    Livro Vermelho da Flora do BrasilReflora - Herbário VirtualLista de Espécies - Flora do BrasilCatálogo da Flora do Rio de Janeiro

    • Anatomia Funcional em aráceas lianescentes

    • Anatomia Vegetal e diversidade biológica da Floresta Atlantica

    • Apoio à infra-estrutura do Laminário Didático-Científico do Laboratório de Botânica Estrutural

    • Catálogo da Flora do Estado do Rio de Janeiro

    • CNCFlora - Centro Nacional de Conservação da Flora

    • Conhecimento e conservação da Flora Brasileira: os futuros desafios das coleções biológicas

    • Cultivo de macroalgas nativas

    • Delimitação do complexo de taxons Reófitos de Dyckia com uso da morfometria e marcadores

    • Diplazium Sw. (Athyriaceae) : Biologia e Sistemática

    • Diversidade genética e química de grupos de plantas de interesse conservacionista no RJ

    • Efeitos de mudanças climáticas em grupos funcionais marinhos

    • Elucidação de estratégias de defesa química contra a incrustação em macroalgas marinhas

    • Estruturas Secretoras na Familia Primulaceae do Brasil

    • Estudos Taxonômicos e Filogenéticos em Pitcairnioideae (Bromeliaceae)

    • Estudos taxonômicos, florísticos e filogenéticos em Orchidaceae na flora fluminense

    • Etnobotânica e processos de domesticação de ora-pro-nobis

    • Evolução de nicho em árvores da América do Sul e suas consequências - Brasil

    • Evolução dos Mecanismos Moleculares no Desenvolvimento do Tegumento nas Asteríadeas

    • Existe herança epigenética na natureza?

    • Filogenia de Bromelia L. (Bromeliaceae – Bromelioideae) e sistemática das espécies de Cerrado

    • Filogeografia de Jamesoniella rubricaulis (Nees) Grolle (Jamesoniellaceae, Marchantiophyta)

    • Filogeografia e estrutura genética de populações de espécies da flora do Rio de Janeiro

    • Fortalecimento das linhas de pesquisa em Biodiversidade, Bioquímica e Biologia Molecular de Algas

    • Genética da conservação de espécies de jequitibás ameaçadas de extinção

    • Herbário Virtual-REFLORA

    • Incremento da algicultura brasileira: Fontes alternativas de uso e melhoramento produtivo

    • Integração de Sistemas - Dados sobre biodiversidade

    • Investigação do processo de bioconstrução no megahabitat recifal - Abrolhos

    • Lista de Espécies da Flora do Brasil online

    • Livro Vivo das Plantas Medicinais do Povo Huni Kuin

    • Modernização do Acervo Bibliográfico do JBRJ

    • Modernização e ampliação da Rede Laboratorial do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

    • Monitorameto de Florestas Restauradas em Áreas Urbanas no Rio de Janeiro

    • PPBio - Rede Mata Atlântica

    • Processos de regeneração via semente em formação arbustiva: restinga - Arraial do Cabo - RJ

    • Regeneração via semente na APA de Massambaba Arraial do Cabo - RJ

    • Requerimentos nutricionais e hídricos de espécies e procêdencias pedoclimáticas da Mata Atlântica fluminense

    • Respostas fisiológicas e celulares de macroalgas e corais à acidificação da água do mar

    • Sistemática e Conservação de Bromeliaceae

    • Subsídios para o controle e erradicação do capim-colonião no MoNa das Ihas Cagarras

  • Ciências Sociais Aplicadas

    Objetivo: Identificar e analisar os processos de musealização e patrimonialização do bem natural, cultural e ambiental nas redes institucionalizadas ou legitimadas cultural e socialmente, através de suas manifestações como jardins botânicos, museus, reservas, parques, entre outros. Compreende os processos museológicos de conservação, documentação, pesquisa e comunicação, com foco nas suas especificidades informacionais. Direciona-se para o entendimento das relações sociedade, cultura, museu e patrimônio e seus sentidos específicos estabelecidos no contexto político-social brasileiro e no processo de institucionalização da temática ambiental.

    • Ecologia

      A Ecologia é o estudo das interações dos organismos uns com os outros e com o seu ambiente físico. Trata de alguns dos aspectos mais familiares, ainda que misteriosos e imprevisíveis, do mundo ao nosso redor. A ciência da ecologia abrange uma variedade de abordagens, dos genes aos ecossistemas. Através do estudo da diversidade biológica em diferentes escalas, englobando aspectos bióticos e abióticos do ambiente, a forma de organização dos organismos e os fatores que determinam a biodiversidade, é possível gerar estratégias de ação em resposta às transformações do mundo atual.

       

      O Jardim Botânico do Rio de Janeiro desenvolve pesquisas ecológicas em diversos biomas brasileiros, principalmente no bioma Mata Atlântica.

      Veja abaixo a lista de projetos do JBRJ nessa área.

       

       

      • Caracterização de formações coralíneas da zona mesofótica da plataforma continental

      • Estruturação de comunidades de Angiospermas de campos de altitude no Maciço do Caparaó

      • Estudos dos Processos Oceanográficos Integrados da Plataforma ao Talude (INCT-PRO-OCEANO)

      • Interações planta-polinizador em espécies de dossel de Mata Atlântica

      • Management Effects on Marine Functional Diversity: A Global Study

      • Papel dos organismos construtores na estruturação e manutenção dos Recifes Coralíneos e Bancos de Rodolitos - Abrolhos

      • PELD Abrolhos

      • Recifes Mesofóticos da Cadeia Vitória-Trindade

      • Reconstrução paleoecológica e paleoclimática da plataforma continental de Abrolhos

      • Rede em epífitas de Mata Atlântica: sistemática, ecologia e conservação

    • Etnobotânica

      A Etnobotânicaé uma disciplina que estuda a interação entre os seres vivos e os recursos vegetais. Busca compreender as sociedades passadas e presentes e suas relações ecológicas, genéticas, evolutivas, simbólicas e culturais com os recursos vegetais. Está fundamentada na conservação, uso sustentável da biodiversidade e repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos. Tem como objetivos pesquisar, identificar e registrar o conhecimento etnobotânico de diversos grupos humanos com vistas a conservar tanto a diversidade cultural quanto a biológica para as gerações futuras. No Jardim Botânico do Rio de Janeiro visa ainda apoiar ações de bases comunitárias para conservação in situ e ex situ dos recursos da flora.

      • História

        Os jardins botânicos têm se constituído, nas últimas décadas, em espaços de interesse para pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento.

        Seu lugar privilegiado de produção e de ordenação do saber se traduz, na atualidade, na centralidade das análises sobre a circulação de saberes, objetos, homens e mulheres, informações, teorias, parte de processos em que cada vez mais as práticas científicas são compreendidas como práticas culturais.

        O papel dos jardins botânicos, e do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ), em particular, pode ser analisado a partir dos estudos sobre a importância da botânica nos projetos de transformação do país, das propostas de políticas públicas para a proteção à natureza em interação com outros espaços,para a história da educação e de sua dimensão pedagógica; dos estudos dos padrões científicos das instituições científicas e atores, em tempos distintos.

        Sendo assim,o JBRJ está afinado com as tendências mais atuais de pesquisa em história em que as práticas científicas são entendidas como práticas socialmente contextualizadas. Busca-se o diálogo necessário com outros campos do saber, alguns em construção e outros consolidados, como o do meio ambiente, da antropologia, da sociologia, da educação, das relações internacionais, entre outros. O JBRJ se apresenta como um espaço a ser pesquisado como fruto de um processo que compreende grupos e indivíduos em suas atividades culturais distintas e em relação.

        Linhas de pesquisa em História no JBRJ:

        1- História das Coleções, práticas de campo e representações em jardins botânicos e museus no Brasil e na América Latina.

        2- História dos herbários de jardins botânicos e suas coleções e classificações como fontes para a história.

        3- História do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e sua inserção em seus processos de cooperação, disputas por hegemonias científicas, sociais e políticas.

        4- História do JBRJ no contexto da cidade do Rio de Janeiro e sua paisagem em transformação.

        5- O Jardim Botânico do Rio de Janeiro e as Grandes Exposições dos séculos XIX e XX, nos contextos nacional e internacional.

        6- O JBRJ entre a especialização científica, divulgação do conhecimento e práticas políticas no Brasil.

        7- Biografias e histórias de vida de atores que fizeram parte da trajetória do Jardim Botânico: diretores, cientistas, jardineiros, naturalistas viajantes.

        8- A institucionalização das ciências naturais no Brasil no século XIX e a atuação do JBRJ no intercâmbio com outras instituições no Brasil e na América Latina.